Twitter
Google plus
Facebook
Vimeo
Pinterest

Fluid Edge Themes

Casa  /  Artigos   /  Os ajustes no contrato de trabalho temporário trazidos pelo novo decreto
Contrato de trabalho temporário

Os ajustes no contrato de trabalho temporário trazidos pelo novo decreto

 

No mês de outubro foi publicado o Decreto nº 10.060/2019, que trata da regulamentação do trabalho temporário. O objetivo dessa nova norma é atualizar e esclarecer alguns pontos da Lei nº 6.019/74, que também dispõe sobre essa modalidade de trabalho.

Com base na legislação, o contrato temporário não precisa, necessariamente, de um mínimo de prazo, mas sua duração máxima é de até 180 dias, permitida a prorrogação, uma única vez, por até 90 dias corridos. O citado decreto esclarece que esse prazo é contado independentemente da prestação em dias consecutivos, razão pela qual são contabilizados também eventuais intervalos contratuais e não apenas os dias efetivamente trabalhados. Além disso, nesse tipo de ocupação, não se aplica o período de experiência.

O Decreto esclarece, ainda, que a contratação de trabalho temporário não se confunde com a terceirização, tampouco com o contrato por prazo determinado, sendo, portanto, instituto totalmente diverso.

Quanto à equivalência de alguns direitos entre empregados celetistas e trabalhadores temporários, os tribunais já vêm se posicionando de forma favorável à aplicação. Agora, com o novo Decreto, há previsão expressa de que o trabalhador temporário tem assegurado vários direitos, tais como FGTS, férias, horas extras, adicional noturno, repouso semanal remunerado, benefícios da Previdência Social, jornada de trabalho de oito horas diárias e salário equivalente ao empregado celetista.

Há ainda previsão expressa de que a empresa deve proceder à anotação da condição de temporário na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) do trabalhador. Deve também zelar pela remuneração e assistência ao temporário quanto aos seus direitos.

Vale ressaltar que o contrato temporário não pode ser utilizado de forma indiscriminada, mas apenas enquanto perdurar a transitoriedade da necessidade empresarial, sob pena de desvirtuamento da legislação e possibilidade de caracterização de um contrato de trabalho por prazo indeterminado, com todas as suas consequências.

Além disso, verifica-se que a regulamentação está em consonância com outras normas recentes, como as Leis nºs 13.429/2017 e 13.467/2017, conhecidas como Lei de Terceirização e Reforma Trabalhista, respectivamente. Isso pelo fato de que o Decreto determina, por exemplo, que as tomadoras de serviço garantam ao temporário o mesmo atendimento médico ambulatorial e de refeição destinados aos seus empregados, quando existente em suas dependências. E, tal previsão, também foi incluída pela reforma trabalhista em relação aos empregados terceirizados.

O Decreto ainda prevê que não há vínculo empregatício do trabalhador temporário e a empresa tomadora de serviços, sendo possível o trabalho em quaisquer atividades da empresa.

Dessa forma, essa regulamentação representa mais segurança jurídica às empresas, uma vez que traz diversos esclarecimentos, bem como incorpora alguns entendimentos dos Tribunais à legislação. Consequentemente, é um incentivo à utilização dessa espécie de trabalho, especialmente no final do ano, quando a procura por tal modalidade aumenta, em razão do período de festividade e do crescimento das vendas.

 

*Artigo de Bianca Dias de Andrade Oliveira, coordenadora da área de Relações de Trabalho e Consumo, publicado em 26/10/2019 no jornal Diário do Comércio.

 

Leia outros artigos clicando aqui.

 

Postar um comentário